Por que somos contra a obra

O projeto da passagem de nível na rua Anita Garibaldi tem problemas.


Não são só as árvores ou o sossego da vizinhança. A passagem de nível (ou trincheira, como preferir) afetará negativamente qualquer um que transite pelas vias Anita Garibaldi e Eng. Alfredo Correa Daudt, seja a pé ou de carro.

O projeto prevê resolver o engarrafamento da Anita através da criação de um túnel por baixo da Av. Carlos Gomes, o que eliminaria o semáforo.  

O que a Prefeitura e os jornais não dizem é que o semáforo continuará existindo,  mesmo com a obra, por conta da passagem de pedestres.

Pior: a trincheira criará um grande engarrafamento no cruzamento entre a Anita Garibaldi e a av. Eng. Alfredo Correa Daudt. 

Isso acontece porque o projeto apresentado pela prefeitura some com a possibidade de dobrar à esquerda na Anita, em direção ao aeroporto. Todos os carros que tomariam este rumo deverão ir até a rua Eng. Correa Daudt, uma via que hoje já enfrenta problemas de engarrafamentos.


 

 

Com a obra, um novo (e pior) engarrafamento será criado duas quadras abaixo do cruzamento entre Anita Garibaldi e av. Carlos Gomes

 



 Ah, mais uma coisa: esse projeto tem 30 anos e nunca foi atualizado.

Qual o sentido da obra? 

É fácil: por conta da Copa do Mundo, o governo federal disponibiliza dinheiro para as cidades-sede financiarem obras de infraestrutura. Se não houver projetos, o dinheiro não é transferido.

A Prefeitura teve duas opções: contratar engenheiros e urbanistas para elaborar projetos de mobilidade urbana, de forma a obter o máximo de aproveitamento na alocação de recursos, ou pegar às pressas um projeto antigo para não perder o prazo de requisição da verba. Desnecessário dizer que ela fez a segunda opção.

Além do trânsito e do uso impensado de recursos, existem alguns outros problemas:
  • Já existem planos para o alargamento de pistas na rua Anita Garibaldi, algo que será inviabilizado caso a trincheira seja feita;
  • A obra vai contra o Plano Diretor;
  • Não existem estudos de Impacto de Vizinha, algo exigido por lei em obras desse tipo;
  • Sondagens preliminares indicam que o solo do local é rochoso e não arenoso como se pensava. Duas consequências: 1. a obra ficará mais cara. 2. será preciso usar explosivos, algo não recomendável numa zona residencial;
  • O futuro engarrafamento na Correa Daudt chegará até a trincheira. Se antes os carros ficavam parados na superfície, agora eles ficarão presos no subsolo;
  • Existem canos de esgoto na área da trincheira. Ainda não está claro como a construtora vai conciliar a trincheira com o encanamento pluvial, mas, mesmo que ela consiga, os motoristas no subsolo terão como companhia um odor nada agradável. Imagine ficar preso num engarrafamento num buraco com odor de esgoto.
Quer saber mais? Leia nossa postagem de Perguntas & Respostas para mais informações!

16 comentários:

  1. Vou seguidamente para o aeroporto e uso o trajeto da Alfredo Correa Daudt, que sempre se apresenta mais livre. Por isso não concordo com este argumento. Marcelo Accurso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok Marcelo, mas todo o fluxo que iria para o aeroporto dobrando à esquerda na rua Anita Garibaldi (38% do fluxo da rua) será direcionado para o trajeto da Alfredo Correa Daudt. Portanto, o trajeto que você usa para chegar ao aeroporto ficará menos transitável.

      Excluir
  2. Acredito que os engarrafamentos diante da Igreja Mont'Serrat diminuirão, e o acesso à ZONA NORTE ficará mais fácil. Não esqueça que, há muito tempo, a Plínio Brasil Milano só tem sentido bairro-centro, em boa parte de seu trajeto. A volta para casa, no final da tarde, é um suplício pela Nilo Peçanha, pela estreitíssima Cristóvão Colombo e pela trancada Assis Brasil. A Anita vai ser um desafogo para quem mora na Boa Vista, Vila Luciana, Passo d'Areia e Cristo Redentor.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde.

    Pela minha experiência diária ao passar pela região, cerca de 40% dos automóveis que chegam à Carlos Gomes pela Anita, ou dobram à direta, ou dobram à esquerda. Acredito que o congestionamento que hoje chega à Anita se forme mais adiante, mas será sensivelmente menor do que aquele que hoje causa transtornos na esquina com a Carlos Gomes.

    Mesmo a sinaleira permanecendo para a passagem de pedestres, ela ficará muito mais tempo no verde para os automóveis do que hoje, reduzindo o congestionamento também na Carlos Gomes.

    Esteticamente, o ideal seria não realizar a obra, mas acredito ser essencial para melhorar a qualidade de vida de toda a população da cidade que passa pela região, seja de carro, ônibus, ou mesmo a pé, pois a poluição sonora tende a diminuir.

    ResponderExcluir
  4. Prezados, onde consegue-se acesso ao projeto completo?
    Att.,

    ResponderExcluir
  5. O argumento sobre o engarrafamento chegar à rua Correa Daudt é falacioso, uma vez que o engarrafamento atual é originário de uma grande quantia de carros dos dois lados do cruzamento, coisa que deixará de existir.

    Como ja dito, as sinaleiras ficarão muito mais tempo no verde, uma vez que são apenas para pedestres.

    Sugiro um aba "o que deveria ser feito". O projeto atual prevê melhorias consideráveis à região. O único motivo sensato para não praticá-lo é a existência de uma ideia melhor, e isso não está sendo apresentado por aqui.

    ResponderExcluir
  6. De onde saíram essas informações? Algum engenheiro que estudou o plano e está falando isso, ou são pessoas leigas, apenas supondo? Se não houver ninguém especializado fazendo esse tipo de estudo ele está completamente errado. Sinto muito. Aliás, acho que é por isso que Porto Alegre nunca deixa de ser uma velha província. Tudo é muito difícil e oneroso de se fazer por aqui.

    ResponderExcluir
  7. O cara que fez o website deve ter interesses proprios na questão (como possuir imovel nas imediações) e decidiu apelar para usar a internet como uma maneira de divulgar uma ideia infundada.
    A obra da Anita tem que acontecer, alias, ja deveria ter acontecido a muito tempo. O webmaster deveria se envergonhar por tentar manipular opinião publica com falsos argumentos em prol de objetivos pessoais. Que papelão hein amigo.

    ResponderExcluir
  8. Não adiante só ser contra. Se não gostam deste projeto, proponham algo melhor. Com gente do contra nosso estado está parado há décadas...

    ResponderExcluir
  9. Gustavo Henrique Ostermann24 de janeiro de 2013 07:29

    Infelizmente, é uma turma pessoas com interesses próprios que mora lá na Rua Alfredo Correa Daudt que está contra o projeto!
    O resto do pessoal que mora na Anita está feliz!

    Este mesmo pessoal da Rua Alfredo Correa Daudt tentou evitar, anos atrás, que a linha de ônibus 430 Bela Vista da CARRIS passasse pela rua deles porque "perturbava o sossego" dos moradores.
    Daí tu notas o tipo de gente envolvida nisto: só pensa em si própria e não no coletivo!

    ResponderExcluir
  10. Quem acha que precisa um "estudo" para perceber que essa obra desatualizadíssima só irá transferir a lentidão no trânsito para poucas quadras depois me perdoe mas está bem claro. Se quem está falando isso transitasse diariamente pela Anita, saberia que após a Carlos Gomes, está SEMPRE no limite em horários de pico. E olha só que coincidência: os carros que NÃO poderão converter na Carlos Gomes irão todos para lá. Que maravilha de obra essa não é ? Que os cruzamentos com a Perimetral precisam ser resolvidos é bem óbvio, mas só transferir DESCARADAMENTE o intenso trânsito para logo a frente, isso sim é provincianismo. Se é para acontecer alguma obra em qualquer rua que seja, que aconteça para melhorar. Se for pra continuar na mesma ou piorar, nem façam. Só não enxerga isso quem não quer mesmo.

    ResponderExcluir
  11. É possível observar que a maior parte da população é a favor da obra... Que aparentemente vai melhorar e muito a mobilidade da região.

    "Sondagens preliminares indicam que o solo do local é rochoso e não arenoso como se pensava. Duas consequências: 1. a obra ficará mais cara. 2. será preciso usar explosivos, algo não recomendável numa zona residencial;"

    Da onde tiraram isso??

    ResponderExcluir
  12. Parece que só os donos do blog são contra a obra. O RESTO da cidade não.

    ResponderExcluir
  13. Conforme falaram anteriormente. Se não há outra solução para o problema, vamos trabalhar com a solução que há!

    Deixem as obras acontecerem, pensem no coletivo! Deixem de ser egoístas e permitam que a nossa cidade se desenvolva!

    ResponderExcluir
  14. é ruim pois nao poderemos passear com os cachorros mais

    ResponderExcluir
  15. 1- o problema é isso aqui: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=542024445831138&set=a.215469131820006.60896.100000707631558&type=1&theater
    arvores e mais arvores sendo derrubadas da nossa cidade e algumas que já vi na calada da noite, é ridículo sim mas é real
    2- fazem um projeto para os carros, ok e porque não aliar a natureza com a cidade?
    3- não esse projeto tem 30 anos? não sei se é verdade, mas se for me poupe ta na cara que estamos muito longe daquela cidade arborizada que a AGAPAN ajudou a fazer (antes dela existir não eramos uma cidade verde) a cultura do verde existe sim olha só este cara isso sim que é gênio: http://architypesource.com/architects/view/150/big-bjarke-ingles-group.
    4- É contra essa banalização da natureza é que somos contra, tipo cortar arvores de 30 anos pra plantar canteiros em frente a um restaurante (eu vi).
    5- Esse secretário esta respondendo a inquérito no tempo do escândalo do DETRAN então se fosse outro país outra cultura? este não estaria aí cuidando da secretaria do Meio Ambiente.
    Mas eu falo só a favor da natureza dizem até que este secretário plantou 20000 + mudas de arvores então não sei. Vamos esperar elas crescerem.

    ResponderExcluir